sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Quadrinha vagabunda

Perdoe o poema vagabundo
Que rima por profissão de fé.
Acaso seria ele mais profundo
Se não tivesse uma rima sequer?


 --------------------------------------------------------------



Pediram para eu conversar com os leitores. Aliás, qual a minha gratíssima surpresa ao descobrir que caramba! Em que ponto chegamos?! Até eu agora tenho leitores! Mas é que esse blog não é um blog-blog. Era pra ser um blog-repositório. Ou supositório, dependendo da sua intenção... Fato é que eu falo demais e sou meio rouca por isso. Ou talvez não tenha qualquer relação. Enfim, no fundo é que se eu começar a falar, as pessoas vão descobrir que eu sou chata. E não passo dum projeto tosco e mal-acabado de literatura, lutando dia após dia pra continuar assim...

Um comentário:

  1. Natália e sua mania de ser humilde.

    Nunca uma vagabundagem foi tão extensa em sua capacidade de ser tudo menos vagabunda. Vc foi é formidável em impecável homenagem à Lacônia.

    ResponderExcluir