domingo, 31 de julho de 2011

Canção pra minhas irmãs

O post de hoje, no dia em que o blog completa 1 ano, é em homenagem às minhas irmãs, Nicole e Daniela. Além de um poema antigo, resgatado do arquivo, achei uma Procuração feita pra ambas, para que pudessem me ajudar a conquistar o direito de voltar de uma festa mais tarde, lá nos idos tempos de 2004... 
Do tanto argumentarem para convencer papai e mamãe, eles perguntaram se, por acaso, elas tinham Procuração para defender meus interesses. 
Fomos pegas de surpresa, mas, naquela mesma noite, protocolamos por debaixo da porta do quarto deles essa Procuração abaixo, rs. Muito engraçado encontrar essas coisas hoje, nas vésperas da minha própria formatura em Direito...

Ainda me lembro
Dos seus risos inocentes
Minhas chaves e correntes
O amor tal qual chocolate meio amargo
Interessante, incoerente
Meus pequenos bem-quereres
Sombras de quintal e sopas de aspargo,
Às vezes.

Viriam a ser as defensoras prediletas
E as oposições mais petulantes
E estragariam meus planos
E traçariam outras metas
Levemente estressantes, de fato
Essas peças em segundo e terceiro ato.

Mas minhas irmãs queridas
Teus poucos anos me ensinaram
Que não há que ter receio:
Quando a vida é só da gente
Ela terá sempre um leve ar adolescente
E estar com vocês é tudo o que anseio.





PROCURAÇÃO



OUTORGANTE:
NATÁLIA ALBUQUERQUE DINO DE CASTRO E COSTA, brasileira, solteira, estudante, residente nesta cidade no Ed. Roberto Valadares Gontijo, apto. 302 – Superquadra 300, Quarto Laranja, Setor Sudoeste, Brasília/DF, portadora do CPF n° 226 cala-a-boca-e-não-chateia.

OUTORGADAS:
NICOLE ALBUQUERQUE DINO DE CASTRO E COSTA, DANIELA ALBUQUERQUE DINO DE CASTRO E COSTA e QUEM-MAIS-POSSA-INTERESSAR, brasileiras, solteiras, advogadas inscritas na ONODIMV [Ordem Não Oficial das Defensoras de Irmãs Mais Velhas] respectivamente sob os nºs 224, cala a boca e come o pato, n° 228, cala a boca e come biscoito e n° 222, cala a boca e come arroz, todas com escritório na Av. Quarto Verde, número 119, xerife Ivanize Carvalho Brito, Ed. Pelé Hipólito dos Santos, varanda primeira à direita e depois segue reto.

PODERES:
Para o foro em geral e os decorrentes da cláusula “Ad Festia & Formaturia”, a fim de praticarem todos os atos do processo, perante o STF [Supremo Tribunal Familiar], podendo ainda transigir, desistir, passar recibos e dar quitação, firmar compromissos, receber, recorrer e  variar de recursos, e praticar, in sozinhum ou separadamentium, tudo o mais que se fizer necessário ao fiel cumprimento deste mandato em defesa do outorgante, inclusive substabelecer.

Brasília, 27 de Novembro de 2004.


NATÁLIA ALBUQUERQUE DINO DE CASTRO E COSTA



Aniversário de 1 ano


Hoje os Canteiros completam 1 ano. Nesse período, muito me ajudaram a pôr pra fora angústias, anseios ou simples pedaços de pensamento... Também acredito que cumpriram o papel essencial de me fazer voltar a escrever, objetivo que tracei quando decidi retomar um "cantinho de cantos". 
E que assim continue! 

Agradeço a todos pelo carinho, pelo apoio, pelas críticas e sugestões! Espero continuar fazendo jus aos acessos, que já somam quase 6000 entradas únicas, em 22 países, 185 cidades, Brasília, São Luís, São Paulo, Fortaleza, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Balsas, Salvador, Recife, Ribeirão Preto, Goiânia, Floripa, Pelotas, João Pessoa, Campinas, Porto, Lisboa, etc. etc.

domingo, 24 de julho de 2011

Crônica de uma alvorada atrasada


"Chora
A nossa Pátria
Mãe gentil!
Choram Marias
E Clarisses
No solo do Brasil...
Mas sei, que uma dor
Assim pungente
Não há de ser inutilmente!
A esperança..."
[João Bosco e Aldir Blanc - O Bêbado e a Equilibrista]

Era o próprio equilibrista!!!
Sem roupa de carlitos,
Sem cobertura jornalística.
Maltrapilho sob o céu sem brilho 
De fins de abril no planalto,
Ele olha pro chão - que é o seu astrolábio -
E tenta passar despercebido
Incólume, anônimo, resignado.
Mas falha em desviar das câmeras
Poluindo as visões turísticas:
Exercício fracassado de logística.
Completa o quadro a esplanada
Tão mais jovem, 
O mesmo tanto ensimesmada...
Muda pouco, quase sempre nada.
Essas tais coisas de política...

terça-feira, 19 de julho de 2011

Que ser poeta às vezes tem um pouco de mentir
Pra si mesmo
A fim de ser verdadeiro
Com o mundo.

... e vice-verso.

sábado, 16 de julho de 2011

Forrozeado


"Óia eu aqui de novo, xaxando
óia eu aqui de novo, para xaxar
vou mostrar pr'esses cabras
que eu ainda dô no couro
isso é um desaforo
que eu não posso levá
óia eu aqui de novo, xaxando
óia eu aqui de novo, cantando
óia eu aqui de novo, mostrando
como se deve xaxar"
[Luiz Gonzaga - Óia eu aqui de novo]

É no rala e rola
Do rala coxa
Do embola e bola
Da dança frouxa
Que tu me dás bola
Com a boca roxa
Te agarro a gola
Te jogo na colcha
Mas se me enrolas
Me fazes de trouxa
Eu te mando embora
Teu lugar é fora
Não me vem com poxa

É no rala coxa
Do rala rola
Da dança frouxa
Do embola e bola
Que tu me namoras
Com a boca xoxa
E tu me adoras
Quando eu digo poxa
Mas se me esfolas
Eu te mando embora
Teu lugar é fora
Pega a tua trouxa.

domingo, 10 de julho de 2011

Desmedida

"Eu sou sua alma gêmea
Sou sua fêmea
Seu par, sua irmã
Eu sou seu incesto
Sou igual a você
Eu nasci pra você
Eu não presto
Eu não presto"
[Chico Buarque - Sob medida]

Verdade que te deixo com vontade 
E um gostinho de sempre quero
E por mais que queira
Nem sempre supro
E por mais que arda
Nem sempre sopro
E quando o corpo reclama
A boca retrai, e ai! 
Mordo a língua
E nem dói tanto
O frio bate
E nem tem manto
Sou ser humano
Não sou santo! 
Quanto mais te quero
Mais te afasto
E te busco
E me escondo
Eu maltrato
Te cuidando 
Eu te aprovo
Não falando
Eu te testo

Não sei se te amo
Sei bem que eu não presto.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Espelho (ou Meus Onze Anos)



"Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais!"
[Oswald de Andrade - Meus oito anos]

Vasculhando no arquivo, encontrei essa pérola, escrita quando estava na 6a série, lá pelos meus 11 anos! Como esse blog tem também a função de me ajudar a guardar os escritos, aqui vai! Divirtam-se, rs!

Ao me olhar no espelho
Tenho a impressão
De que meu corpo inteiro
Está em transformação.

Já não sei se sou eu
Já não tenho a mesma aparência
Mudei e não percebi ?
Ou então não mudei, apenas cresci.

Pergunto-me o que pensam de mim
Será que todos ficam assim?
O que já foi não será de novo
Ou será que voltará em lembranças
Do meu tempo de criança?

Estou pulando etapas
Ainda não cheguei na adolescência.
Se continuar assim
Vou passar minha vida sonhando...
Ainda sou criança
Minha infância ainda não chegou ao fim.
                 
Porém, temos que lembrar
Que o que passou não voltará
Pois o tempo passa,
Infelizmente...
Ou será que para o bem da gente? 

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Caminhada




"My heart is like an open highway
Like Frankie said
I did it my way
I just wanna live while I'm alive
It's my life."
[Bon Jovi - It's my life]

"Amanhã!
Está toda a esperança
Por menor que pareça
Existe e é pra vicejar
Amanhã!
Apesar de hoje
Será a estrada que surge
Pra se trilhar
Amanhã!
Mesmo que uns não queiram
Será de outros que esperam
Ver o dia raiar
Amanhã!"
[Guilherme Arantes -  Amanhã]


tão gostoso afã
com o sol quase posto
no oposto da via
ao agosto do dia
pois suposto havia
que já era amanhã
quando vi que ainda tinha
muitos metros de via
muitos rastros de dia
muita vida bravia
muita melodia pagã