quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Saudade



Meu primo, Telinho, nosso pequeno bon vivant,
vai com Deus e descanse em paz... 
Cuidaremos dos seus.


Não há lugar mais vazio no mundo que um cemitério.
Nem toda dor, que preenche até transbordar os corações dos presentes
Nem o semblante tranquilo, que ao olhar descuidado - e ao esperançoso, incrédulo -
até parece dormir, de quem se vai
Nem as coroas de flores que emolduram e amontoam-se pelas paredes
Nem a lágrima, nem o grito, nem o silêncio
Nem a tristeza embalada a vácuo
Nada, nada, nada…

Não há lugar mais vazio no mundo que um cemitério
Porque ele todo é feito de ausências...

3 comentários:

  1. Palavras perfeitas.

    ResponderExcluir
  2. Você põe nas palavras o que é possível ser enterrado no buraco da morte.

    ResponderExcluir