terça-feira, 2 de setembro de 2014

Crônica interior


"Lá vai o trem com o menino
Lá vai a vida a rodar
Lá vai ciranda e destino
Cidade e noite a girar"
[Ferreira Gullar - Poema Sujo
Villa Lobos - O trenzinho do caipira]


Caminhava a vida
Vagarosa e engarrafada
Até que se deu conta no passar desimpedido
De mais um vagão de trem

Contei já uns trinta
Devem ser bem de ferro
Que nem a caneca esmaltada
De café quente que dá nessas bandas e se toma sem pressa

Vai ficando longe o trenzinho
São poucos nesses dias
É que na capital ainda ontem se falava
Em importar crescimento acimentado e rodovias

Mais me importam as cotovias...

E os horizontes
Haverão de ser mais limitados
Ou verdadeiramente além
Se posso contemplá-los por todos os lados?

Me importam mais as cotovias...

Caminha a vida caminhão
Aproveita a paz das pistas únicas
No interior
Ainda há tempo...