terça-feira, 3 de novembro de 2015

Pragmático


Eu não tenho tempo
Eu não sei voar
Dias passam como nuvens
Em brancas nuvens
Eu não vou passar
[Zeca Baleiro - Não tenho tempo]

O diagnóstico foi pragmatismo

Mal súbito
Sintomático de versos nublados
Randômicos e mal dispostos
Num guardanapo de avião usado

Porque deveras há poesia em guardanapos
Na modernidade dos Antônios
Ou nas marcas de beijos desde a brilhante ideia de colorir os lábios

Cada resto de batom num guardanapo traz em si uma poesia inteira
Qualquer resto limpado do canto dos lábios
Mas que tenha cor

A poesia é a libertação do pragmático
É o distintivo entre o asfixiado e o asmático
Só o segundo vive

Lá fora o céu azul encomprida
Preenche os espaços de infinitude
E o pássaro de ferro que me transporta
Me carrega pra mais perto de mim

É preciso perceber pra sentir
O céu colorindo o sorriso de azul

Nenhum comentário:

Postar um comentário