sexta-feira, 3 de junho de 2011

Boquiaberta


"Como santo me revele como sinto como passo
Carne viva atrás da pele aqui vive-se à mingua
Não tenho papas na língua
Não trago padres na alma
Minha pátria é minha íngua
Me conheço como a palma da platéia calorosa
Eu vi o calo na rosa eu vi a ferida aberta
Eu tenho a palavra certa pra doutor não reclamar
Mas a minha mente boquiaberta
Precisa mesmo deserta
Aprender aprender a soletrar
"
[Zeca Baleiro - Piercing]

Na minha boca há
Cordas vocais inflamadas,
Gritos gritados, outros contidos,
Sussurros, gemidos e
Algumas amigdalites mal curadas.
Tem lábios rachados
De descuido, nervoso e cerrado,
Língua sem papas, igrejas, nem freios,
24 dentes remanescentes corrigidos à força,
Um beijo guardado pra ti
E um sorriso infindo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário