sábado, 11 de setembro de 2010

Excessos (ou Abscessos Poéticos)

Disparou o artista frenético em minha direção
A veia poética dilareçada e pulsando na mão
Arregaçado em carne viva
Vermelha sangrenta e doída.

Entranhas de versos hereges
Denunciantes de sonhos
Urgências e
Algumas
Poucas
Paixões.

Sem eufemismos,
Me corrige
Estrebuchante:

Fodam-se as libélulas e essas coisas bonitas de amor!

Sua exegese é de
Feridas purulentas,
Maledicências e
Decepções.

Por favor alguém me cale a boca! - gritou -

Antes que eu seja compreendido...

Um comentário: