segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Impositivos

Lei
A leio
Alheia
Não sei se
Há meia
Lei;
Mas, sim,
Amei-a,
Lei.
Roguei:
Floreia
Lei!
Então
Heil
Rei.
Errei:
Sombreia
Lei.
Correia
Dos fatos
Tateia
De fato
Lei.
Então
Cadê a
Lei?
Corre, eia.
Lei!
Cadeia.
E Amarro
a veia que pulsa, que corta, que urge, que tange, que julga, que suga,
que manda, que prende, que range, que finge,
que guia, que queima, que briga,
 que grita
que cala
castiga e
confina.
E lutas, lei?
Que luto, lei?
Que veia velha que
chama tão fraca
que grito
que
lei?!

2 comentários:

  1. As tuas palavras me embalaram num jogo de ritmo e sentido fascinantes.

    Lei-am!

    ResponderExcluir
  2. Uou, que bacana. Poesia concreta. Curti a espada. Muito bom.

    ResponderExcluir